Uma jornada muito louca

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Uma jornada muito louca
acidTrip em Sex 22 Jan 2016, 16:33
Tec, tec, tec. Aquele maldito galho da árvore batia em minha janela. A ventania e a chuva lá fora estavam fortes, era perceptivel o barulho dos trovões e o clarão dos relâmpagos, me levantei e descia as escadas para pegar um copo d'água. Calçei minhas pantufas de pokébola – eu não me orgulho nem um pouco de ter pantufas no formato de pokébolas... – e cautelosamente andei pelo piso de porcelana com cera transparente. Cheguei a beira do vasto corredor onde velas elétricas se dispunham de maneira uniforme em cada lado de suas paredes, forçando os olhos na escuridão eu identifiquei o interruptor e o pressionei, com um chiado continuo as pequeninas lámpadas acenderam e iluminaram de maneira suave o corredor de paredes cor de avelã, onde haviam quatro portas – duas centrais, uma de frente pra outra sendo cada uma um quarto. Uma atrás de mim, o meu quarto e  ao final do corredor a passagem pra sala, cozinha e os outros diversos comôdos da sala. – continuei caminhando até encostar na macaneta redonda de bronze da porta dos fundos e a girar.

Nheeeec. As dobradiças velhas do chalé rangiam como uma faca cega raspando numa pedra deformada, a porta se abriu revelando um pequeno cômodo com quatro almofadas negras no chão; uma pequena mesa de centro feita parte de madeira, parte de vidro. Sobre ela haviam alguns itens como chaves, algumas moedas, um controle remoto e um vaso de flor artificial contento uma unica rosa roxa; além da nossa TV antiga, de tubo... É, nós gostamos um pouco de antiguidade – ou meus pais gostam...
Atravessei a sala guiado pelo clarão assustador dos raios que ntravam pela sacada fechada por uma porta de vidro, atravessei o pequeno balcão com tampo de marmóre negro e alcancei a pia onde enchi um copo de água e numa unica golada o tomei inteiro. Voltei a sala, onde sentei numa das almofadas e encostei as costas num dos painéis de vidro deslizante da sacada e fiquei lá, parado no tempo... O estrondo que me acordou quase me assassinou também, um objeto voou graças a fúria dos ventos e atingiu minha casa, destruiu um dos painéis e marcou a parede.

O que é isso, Lion? – minha irmã entrou na sala chutando as almofadas – Eu quero dormir, inferno!

Eu também não sei, esse bagulho entrou voando pela janela! – eu gritei, completamente assustado.

Nos aproximamos com passos curtos enquanto a casa esa invadida pela venstania e a água. Hesitamos por um segundo ao ver o tamanho do "objeto", tinha cerca de 40-50 cm, era marrom com pequenos arranhões. Continuei a caminhar enquanto minha irmã ainda estava com medo de se aproximar, até porque já era evidente que não era somente um objeto – ou era um Squirtle que estava se protegendo da chuva, ou somente o casco de um. Se fosse só o casco seria assustador...
Acariciei de leve a parte debaixo e dos 5 buracos do casco apareceram, em ordem, uma cauda, duas pernas, duas mãos e por fim a cabeça machucada da pequena criaturinha que, com dificuldade, abriu o seus olhos chorosos revelando uma iris vermelha penetrante. Me desesperei e me apaixonei ao mesmo tempo, a criatura parecia ser uma deusa da espécie.

– Lisa, a gente precisa ajudar ela! – eu exclamei.
   
           – Como? Eu não vou sair nessa chuva infernal! – ela manifestou aquele espírito de patricinha que sofre bullying – Pode ir sozinho.

  –  Patricete escrota você em! – eu gritei – Ela tá machucada!!!

  – Nem ligo! – ela voltou pro quarto, pisando forte.

Agarrei a pequena tartaruga no colo, era pesada – talvez mais do que um pacote de arroz, aliás, com certeza mais pesda que um pacote de arroz! – e corri através da fenda que a mesma havia feito no vitral da varanda. A escuridão tomava conta e as árvores em volta do chalé impediam que a luz dos postes de Pallet Town chegassem até a tirlha que nós levava a mesma, a fúria dos ventos aumentava eu o escutava uivando ao pé dos meus ouvidos, os poucos momentos de clareza eram quando o barulho ensurdecedor dos pingos de chuva que nós atingiam constantemente cessavam com o barulho semelhante ao de um ferreiro batendo o martelo numa bigorna, um trovão, o pressagio do relâmpago. Todas aqueles sons misturados, junto com o cantar dos Hoot Hoots e Noctowls formavam uma sinfonia macabra como um réquiem, a maior homenagem aos mortos.
Senti aquilo como profecia para a perda da vida a qual meus braços abraçaram desde o caminho de casa até aquele momento, onde a cidade já era observável, acelerei ainda mais o passo. Pallet Town, mesmo depois de anos, não crescerá nada além do caminho até a minha casa, haviam três casas padrão e o laboratório. Atingi o ápice da minha corrida, cheguei ao laboratório e preguei o dedo na campahinha.

– Que foi garoto? – um velho atendeu a porta coçando os olhos.

– Me ajuda, por favor. – eu supliquei, respirando pesado.

         Ele tomou o pokémon de meus braços e instruiu-me a ficar esperando em sua sala enquanto ele e sua esposa tratavam dos ferimentos da criaturinha azul. Adentrei o lugar com frio, ensopado. Era uma sala simples, haviam alguns livros numa estante, sua escrivaninha era de costas para porta e cima dela haviam uma luminaria, uma poké-dex e papéis, muuuuitos papéis. Fiquei alguns minutos parado, minutos que pareciam horas.
         Plac, Plac, Plac. Eu ouvi os passos de um chinelo pesado adentrando a sala, era a esposa do professor Oak, trazia uma bandeja estofada com uma pokébola em miniatura onde acima do botão de abertura havia uma adesivagem com o simbolo do tipo água.

         – Criança, o professor mandou te entregar isso. – ela sussurrava, com medo de acordar os pokémons no habitat artificial construido proximo dali, sua voz ela delicada e suave –  Ela parece ter gostado de você

       Agarrei a pequena esfera bicolor e ela cresceu e adaptou-se a minha mão, era ligeiramente transparente e dentro dela era observável a Squirtle paralisada lá dentro – era um pouco bizarro – olhando pra fora com seus belos e brilhantes olhos. Eu nunca entendi como curam pokémons tão rápido, perece que jogam ele fora e substituem por um novo instantaneamente...
       Apertei o botão e num flashe de luz vermelha o pokémon manifestou-se em forma física no chão de madeira de carvalho escuro, abrançado as minhas pernas.

Ei amiga, ta tudo bem? – a questionei.

Quirtlee! – indagou de volta.

Que bom! – eu exclamei sorrindo – Vamos pra casa comigo?


Com um aceno de cabeça ela concordou e caminhamos até o chalé de feições antigas, entrei pela janela quebrada e encontrei minha irmã deitada no chão, cochilando. Sorrateiramente eu caminhei pelo corredor sem fazer barulho e entrei no meu quarto. Me sequei completamente e troquei de roupas, vesti um casaco verde-musgo, uma calça skinny preta, um tênis cano alto azul, coloquei as coisas que precisaria pra viajar numa mochila e peguei juntamente com os fones meu mp3Player. Andei até a porta e adentrei no quarto dos meus pais e sentei na cadeira estofada da escrivaninha de minha mãe. Agarrei uma caneta-pena e escrevi num pedaço de um papel que se assemelhava a um pergaminho novo em branco e escrevi um bilhete que os informava do meu inicio conturbado de jornada e a viagem que eu vou fazer pelo mundo dos pokémon. Despedi-me da minha irmã enquanto ela dormia e fui em direção ao horizonte, iluminado pelos raios do nol nascente.



Foi só um grão de cristal..
Treinador
avatar
Idade : 15
Data de inscrição : 21/01/2016
Número de Postagens : 15
Localização : ChavosoLand

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada muito louca
Cold' em Sex 22 Jan 2016, 16:55
Pode começar *-*
Administradores
avatar
Data de inscrição : 13/12/2015
Número de Postagens : 31

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada muito louca
acidTrip em Seg 01 Fev 2016, 21:34
Quarto escuro...
Capitulo 1

Em meio as grandes árvores da Rota 01 os últimos raios de sol se esvaiam, deixando a mensagem de que o crepúsculo havia terminado e que a ferocidade da noite se aproximava. Os grunhidos macabros das criaturas que por ela se esgueiravam ficavam evidentes e mais altos a cada segundo que se passava. Pelo canto de meus olhos eu via borrões negros, olhos vermelhos me observando e continuava seguindo pelo caminho de cascalho esfarelado que não deixava os viajantes peregrinos se perderem de sua jornada, a Lua cheia iluminava entre as árvores com seus feixes prateados de luz que deixavam a minha jornada de travessia noturna menos assustadora – e evitava que eu me cagasse também...

As árvores antes belas, esbeltas e cheias de verde estavam mortas, com galhos retorcidos que pareciam mãos apontando para aqueles que passariam por ali e a melodia fúnebre da floresta aumentava a cada passo curto que eu dava, até que achei a minha salvação; ou a minha perdição. Eu vi dentre os galhos uma pequena luz branca e ouvi o choro de uma criança, ou não era uma criança, mas vai saber...
Corri em direção à luz e nada achei além de uma lanterna antiga que funcionava com o uso de óleo, ela emitia uma luz esbranquiçada por causa de sabe-se lá o que. Levantei-a com um pouco de dificuldade, parecia pesar um quilo e era feita de ferro negro, com pequenos detalhes cravados em si. Analisei o lugar: haviam dois pares de pegadas, um deles parecia ser humano porém, era minúsculo, com certeza uma criança; o outro era pequeno também, porém se assemelhava mais a pata de um cachorro, que tinham garras grandes o suficiente para cortar uma raiz que estava mais a frente bloqueando a trilha dentro da mata. Comecei a seguir aquele caminho que acabou revelando-se tão bizarro quanto o outro.

Cheguei a uma ponte fina de madeira que cruzava um pequeno córrego e chegava numa cabana antiga feita de madeira de pinheiro, com janelas redondas empoeiradas, uma espécie de varanda com uma cadeira de balanço velha – que por algum motivo sobrenatural; ou bem natural; estava balançando – e uma porta velha com uma maçaneta redonda que parecia ter sido reluzente algum dia. Os soluços chorosos continuavam, guiando-me até a porta semi aberta da bizarra estrutura e, sem que eu tomasse uma única decisão o "nheeeeec" do rangido das dobradiças enferrujadas abriram a porta de madeira e uma brisa suave cruzou meu pescoço me convidando a entrar no "chalé maldito".
A cada passo o medo aumentava mais, a noite já havia tomado conta e o breu tornava quase impossível caminhar entre meio a mobília antiga, achei uma corda que ligava o abajur empoeirado no teto, a puxei e com um estalo a luz incandescente antiga acendeu-se e iluminou o recinto revelando todas as formas ali presentes. Haviam em uma parede uma lareira de tijolos e em sua volta quadros surrealistas um sofá preto empoeirado e um tapete de camurça da cor vinho, com uma de suas pontas dobradas revelando uma falha no chão de madeira embolorada – o alçapão que levava ao porão.

Levantei-o com dificuldade. Havia uma escada de dez degraus, um cheiro podre infestava o local. A cada degrau ficava pior e minhas narinas começaram a arder.
A visão que tive ao olhar até o fundo da cripta de podridão foi horrorosa. Uma garota, devia ter 20 anos, enforcada, seu corpo sendo consumido pelos fungos e bactérias exalava aquele odor horrível, ao seu lado encontrei a fonte do choro... Era uma pequena Misdreavous, provavelmente o cadáver emputrecido era sua dona. Ela virou o rosto pra mim, seus olhos vermelhos como o sangue exalavam tristeza, que se tornou ódio ao encontrar o meu, e com um grito de amargura uma esfera de energia corrompida se formou em sua frente e com um sopro seu alvo se tornou eu.

Merda! – gritei, porém, Squirtle impulsivamente deixou sua pokébola e matou a esfera no peito, batendo contra uma das paredes – isso foi uma Shadow Ball! Você tá bem?!

Quirtle! – ela respondeu, levantando-se e se pondo em posição de combate.

– Certo, comece usando o Bubble pra preencher esse lugar dificultando a movimentação dela!

Prontamente a Squirtle abriu sua boca e assoprou de leve varias bolinhas de sabão que pareciam sumir perante a escuridão do porão sujo, mas que em poucos segundos já haviam tomado conta do local do chão ao teto e a cada movimento da pequena bruxinha era ouvido o estouro da esfera transparente e um pequeno gemido do dano tomado, sua camuflagem na escuridão estava destruída. Exposta, a criatura sombria parte pro ataque, seu colar de pedras vermelhas começa a emitir um brilho rosa intenso e com um ruído o raio de mesma cor atingia o corpo da pokémon tartaruga, assumindo o seu controle – era um Psybeam. Sem hesitar com o uso de sua telecinése a fantasma arremessou seu mais novo fantoche na parede mais distante do pequeno inferno.

– Se esconda atrás de uma dessas vigas de sustentação e escute atentamente as bolhas, quando ela se aproximar use Aqua Tail! – eu ordenei.

Se pondo em quatro patas a tartaruga se esgueirou e escondeu-se numa das seis vigas e atentamente esperou o espectro roxo se aproximar. Eventualmente as duas se encontraram e ficaram frente a frente, o olhar da pokémon fantasma assustou até mesmo a mim, seus olhos brilharam em roxo e Squirtle se viu presa no campo de batalha pelo Mean Look de Misdreavous. Porém sem hesitação sua cauda enrijeceu e um campo de energia azulado a envolveu, com um salto mortal o ser azulado com sua reluzente armadura natural golpeou a bruxa na cabeça e a lançou do alto pro chão, aterrissando graciosamente no chão tomado por suas bolhas que já não eram mais tão numerosas quanto antes.

– Termine com isso! – eu gritei – Use Hydro Pump!!

Majestosamente a pequena tartaruga posicionou a perna direita na frente, a esquerda atrás, ergueu os braços como se estivesse em guarda de boxe, respirou fundo e cuspiu um jato de água rodeado por anéis de energia que o conduzia até o seu alvo, que havia começado a se erguer novamente porém fora interrompida pelo jato pressurizado que a arremessou metros.
Paaam. Foi o barulho da pancada na parede. Os gemidos do choro da pequena criaturinha voltaram, minha primeira ação foi pega-la no colo e a levar até o sofá e deixar ela descansar.
Alguns minutos se passam, ela acorda chorando novamente.

Aquela é sua dona, né? – eu pergunto e a resposta vem instantaneamente com um aceno positivo com a cabeça.

Dreavous... – o choro parou por um instante.

Pra você não ficar só nesse mundo, eu vou te fazer uma pergunta – eu sussurrei no seu ouvido – Vem comigo na minha jornada! Você quer?!

Peguei uma pokébola vazia e abri, convidando a futura poderosa bruxa a entrar. Foi instantaneo a transformação de criatura fisica pra espécie de energia avermelhada que digitalizava os pokémons dentro da esfera parte de metal, parte de vidro. Squirtle comemorou o nosso novo laço e quis entrar na sua pokébola também, assim como a Misdreavous sua transição foi instantânea.
Peguei minha mochila, encaixei as pokébolas no cinto com um imã que as prendia por conta de sua parte metálica e voltei a trilha tradicional da Route 01. Iluminado pela luz prateada do astro celeste que pairava no céu estrelado sob minha cabeça eu segui viagem.



Foi só um grão de cristal..
Treinador
avatar
Idade : 15
Data de inscrição : 21/01/2016
Número de Postagens : 15
Localização : ChavosoLand

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada muito louca
Kol Mikaelson em Seg 01 Fev 2016, 21:53
Captura: Válido
Nota da Captura: Ótima

Pontos Fortes: Excelente narrativa, vocabulário rico, história simplesmente PERFEITA!

Pontos Fracos: NENHUM!

Caramba, seu texto ficou IMPECÁVEL! Estou sem palavras, sua descrição e modo de narração são pra lá de perfeitos! Você tem chance de ser um excelente escritor, enfim aproveite seu prêmio!

-ATT-



Kol Mikaelson
Administradores
avatar
Idade : 20
Data de inscrição : 16/01/2016
Número de Postagens : 91
Localização : MG

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada muito louca
Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum