Uma jornada que não é nas estrelas [Were]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Uma jornada que não é nas estrelas [Were]
WereMonkey em Qua 10 Fev 2016, 23:34


Capitulo Zero   Conheça a Siri


Era uma manhã normal como qualquer outra, a temperatura estava agradável, nem tão quente como frio, com uma leve brisa que passava pelas colinas criando ondas que lembravam um oceano, um grande e verde oceano. Não havia clima melhor para se estar naquele dia, o meu dia, o dia que finalmente conseguiria o meu primeiro Pokemon.

Abria meus olhos, devagar quase querendo os fechar denovo. Era o meu dia especial, mas por algum motivo, não conseguia acender aquela chama que nos animava, que nos incentivava a botar pra quebrar, ou algo do tipo. Levantei, um pé depois do outro firmavam-se no chão, e com a velocidade de uma tartaruga prestes a almoçar uma deliciosa alface fui ao banheiro - ahn... que preguiça cara - Quem era aquele ser que o espelho refletia? um pokemon do tipo SAI SATANAS!? ah, não, era apenas essa pessoa que vos fala, o cabelo todo espetado e desarumado, os olhos, mais mortos impossíveis,e a pele, bem, acho que precisava de um bronzeado.

*PLAF* Impacto seguido de uma sensação de ardencia:

- Pra que esse tapa Will - virei a cabeça lentamente até ver aquele panaca

- Se ressaca tivesse rosto com certeza seria o seu.

- Perai... como assim? o que você quis dizer com isso?

- Sei lá, só disse pra te zuar mesmo - Eu o olhava com tanto ódio, que se não fosse meu irmão mais velho, eu o matava - Agora se arruma que o pai quer falar contigo.

Ah, o papai, bem ele não era umas das pessoas mais, como posso dizer, abertas e receptivas... sabe aqueles empresarios sem emoções - isso é um anime? - que vive de café e bife e nunca esta em casa? bem acho que isso pode resumir o meu pai, ser chamado para falar com ele, nunca significa algo bom.

Com as coisas nos triques, cabelo penteado, rosto lavado e a pele... é isso não dava pra mudar, desci as escadas, e o vi na mesa, como de costume, com sua caneca grande de café e um torrada na outra mão:

- Então... é hoje né? - ele me perguntava sobre o tal dia - É, hoje é o dia pai.

- Antes de você decidir que Pokemon escolher no laboratório, eu tenho uma oferta para você - Ele abria um sorriso, quase que malicioso, por que da proposta? isso eu não sabia, mas me interessei pela mesma.

- Proposta? e o que seria pai?

- Bem, o que eu quero é - Ele puxava, do bolso de terno, uma pequena bola, essa que com um clique, crescia, era uma bola com um lado vermelho e outro branco, com uma linha preta que dividia as cores e um circulo no centro - Eu quero que, ao invés de pegar um dos Pokemon do laboratório, eu quero que fique com esse.

- Mas por que esta me dando ele?

- Bem, o meu pai me deu ele, e como eu não segui a carreira de treinador, eu não tive a chance de usa-lo, e provavelmente não terei - Ele colocava a bola na mesa - E então? o que vai ser?.

"Afe, por que ele tinha que fazer esse tipo de proposta? isso é chantagem emocional usando o vovô desse jeito"

- Tá pai, eu acho que eu fico com ele...- Estava quase colocando minhas mãos naquela esfera quando ele me interrompia, e eu me assustei com isso - Espera, você só pode ve-lo quando estiver fora de casa, e quero que cuide muito bem dele ouviu? se eu souber de algo, sabe que eu posso te buscar aonde for e quando for - Era assustador o jeito que ele dizia aquilo, parecia aqueles caras de filmes de ação que se vingavam custe o que custar - Tá pai...

Peguei, finalmente em minhas mãos aquele monstrinho preso na esfera estava em minha posse, imaginava que Pokemon era, será que o vovô deixou algo raro? Ah, mal podia esperar para ver qual era. Tomei o meu café, assim como meu pai, uma torrada e uma caneca de café - só que com leite, pois puro eu não gosto - era suficiente para começar o dia, ou pelo menos, sair de casa.

Fui para o meu quarto, tinha que pegar minha mochila ou não teria como guardar minhas coisas - a menos que tivesse um portal para outra dimensão e eu pudesse levar comigo - Procurei por alguns minutos, debaixo da cama, dentro do guarda roupa, todo canto que podia ter no meu quarto eu já havia procurado, desisti só por estresse e sai dali antes que explodisse a casa - Pensa rapido mané - um objeto voador amarelo, identificado como minha mochila voava na minha direção, meus reflexos não são la os melhores, então acabei tomando.

- Duas em um dia... e em menos de uma hora? recorde Will...- é, encher o meu saco era o seu hobby favorito. Abri minha mochila para ver o que estava dentro, e para minha surpresa, tudo o que eu pretendia por estava alí, arrumado, minhas roupas, uma pokedex que meu pai havia pego no laboratório com o professor e uma graninha " eu com certeza não vou morrer de fome... não com essa grana" fechei o ziper e colocava a mochila nas costas. Antes de descer, sair de casa e seguir o meu destino, fui surpreendido por Will, era estranho, ele não me acertava com nada, estava mais para um nova armadilha, uma onde ele se abaixava um pouco e me envolvia em seus braços, acho que isso é o que as pessoas chamam de abraço - Ei, se cuida falou...- Não dava para acreditar que aquele era o meu irmão, demonstrar afeto não era de seu fetio - Só não morre no caminho, se não o Pokemon que o papai te deu vai morrer também - Estava demorando, mas ele soltou, sabia que aquele momento não ia durar, mas ao menos o tivemos.

Desci as escadas as presas - e não, eu não cai - papai ja estava de saída, mas antes que ele fosse, perguntei:

- Pai, onde esta a mamãe?

- Ela não te disse? ela tinha que ir mais cedo para o trabalho hoje, ouve um problema com pragas na estufa.

A minha era florista, plantava e vendia as própias flores, e de quebra algumas frutas como morango, que não ocupavam tanto espaço na estufa - como pude esquecer de falar dela? méh - Eu ia para minha jornada, mas não sem me despedir da minha mãe, sai pela porta de casa e pela estrada a fora eu fui.

O caminho se resumia a terra e terra, e mais um pouco de terra, não tinha asfalto no caminho que tomei, mas isso não me impedia de aproveitar.

- Epa, perai, agora que estou aqui fora, posso conheço-lo finalmente - pegava a pequena esfera que meu pai me deu e com o mesmo clique a fazia crescer, a joguei no céu e ao passar na frente do sol ela se abria - Vejamos - um pequeno raio azul saiu da bola e se materializava, tomando forma de uma pequena criatura.

- Um siri? - eu olhava, era pequeno, parecia com aquele animais marinhos que comemiamos no jantar. Não sei se foi algo que eu disse - na verdade foi - o pequeno se irritou, e com aquela 'garra' me atacar, beliscando minha canela - Ai.... ta, acho que não é um siri - ele me largava - mas parece um - estava pedindo e tomei de novo do mesmo jeito, uma beliscadinha na canela que ja estava vermelha e ficaria assim por alguns minutos - ta ta ta, acho que era lagosta, é isso? você é uma lagosta? - Ela me soltou, e como  alguem que presava o orgulho, virava-se de costar com o nariz empinado - nervosinha viu...- peguei novamente a bola e apontei para a coisinha - acho que ja nos conhecemos de mais, volte siri!- antes que ela virasse para me atacar de novo, o raio a engolia e a prendia na bola, por pouco.

- Falta pouco para chegar na estufa, vamos indo - e assim eu fui, seguindo a estrada de terra enquanto olhava o céu azul brilhar com o sol.             Continua...

Espere e vera o poder da tartaruga te arrasar
Monotreinador
avatar
Data de inscrição : 05/02/2016
Número de Postagens : 2

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada que não é nas estrelas [Were]
Sayu em Sex 12 Fev 2016, 23:37

*-* Pode começar/continuar!


Administradores
avatar
Idade : 19
Data de inscrição : 30/12/2015
Número de Postagens : 140
Localização : SC-Brasil

Ver perfil do usuário http://poketalles.rpgdynasty.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada que não é nas estrelas [Were]
WereMonkey em Dom 14 Fev 2016, 23:20


Captilo Um: Sem beliscar, por favorI

 Ja se passava um tempo dês de que sai de casa, estava andando pela estradinha de terra, que dava para a estufa onde encontraria a minha mãe. O clima estava começando a esquentar, mas por sorte, uma brisa ainda mais suave que de manhã ia de encontro com meu rosto. As colinas verdes ao passar das brisas, pareciam dançar conforme uma musica de ritmo bem agitado.

- Espero ansiosamente para mostrar para a mamãe o que eu ganhei – olhava para minha pokebola – sim, agora eu sei o nome disto – que guardava dentro de sí a pequena Siri, uma Pokemon que parece uma lagosta azul com um com pavio curto – Bem, espero que ela não ataque minha mãe quando a apresentar – Por um segundo conseguia imaginar a cena, era terrível e engraçado, mas não deixando de ser terrível.

Andava calmamente até que a pequena estrada de terra chegou a uma pequena floresta, onde as arvores ao redor se enfileiravam tão perfeitamente  ao lado da estrada que era difícil que acreditar que aquela paisagem existia, o sol era pouco bloqueado pelas folhas das árvores, mas ainda sim ele era forte, e conseguia iluminar bem mesmo que por brechas. Olhava para a direita, e por alguns milissegundos , conseguia ver a sombra de uma criatura alta que parecia ser um humano, mas suas pernas eram grandes e parecia ter algo envolta delas, algo branco, como uma faixa, que cobria da canela até a coxa, não dava para ver direito, e de repente em um salto ele desaparece, deixando apenas algumas folhas caindo no local. Curioso para ver o que era aquilo, fui até onde o havia avistado, mas nada dele pelas redondezas – Ou eu estou vendo coisas, ou ele é bem rápido – Olhava ao redor para checar se ele realmente não estava por lá.

Fiquei um pouco decepcionado, por não conseguir ver de perto o que era, mas isso não destruiria o meu dia, voltei e continuei a andar pela estrada, mas agora, mais atento para ver se podia achar a criatura novamente.

- Lee, Lee, Lee! – um voz dizia, distante, enquanto barulhos de pancadas escondiam as vezes a própria fala.

- Mas o que? O que? O que foi isso? – Me perguntei, o que era aquela voz e aqueles barulhos de algo bem rígido quebrando. Olhei envolta, não conseguia nada, mas ao olhar para cima, conseguia ver alguns Pokemon pássaros voando de algumas arvores para longe, eles pareciam assustado com alguma coisa, e curioso como sou, fui investigar, com aquela pequena fagulha de esperança que seja aquele bicho de antes.

Corri, então para onde os pássaros estavam fugindo, a cada passo que dava era evidente que a direção era a certa, pois o barulho aumentava. Alguns metros a correr, e pude notar algumas poucas arvores quebradas, parecia como se um trator viesse e só de empurrar a arvores ela se partia, mas, por alguma razão era estranho, se fosse um trator, teria bem mais espaço aberto por ali, e como eram algumas arvores apenas, era difícil de ter certeza.

Os barulhos se aumentavam, até que finalmente cheguei, e me surpreendia com o que via.

- Vamos lá, tu quer ficar forte?

- Lee!

- Tu quer ganhar aquele torneio?

- LEE!

- Tu quer ser o lutador mais forte do mundo?

- LEE!!!

A criatura que parecia uma pessoa de pernas grandes chutava então a arvore, enquanto respondia a um homem ali, a cada resposta, o entusiasmo da criatura crescia, e com isso, ele parecia ficar mais forte, chegando a derrubar a arvore que estava chutando quando chegou a ultima pergunta.

- Hey, e ai? Como vão rapaziada? Posso saber.... que criatura é essa? – Cheguei de mansinho perto do homem. O adulto era musculoso, usava uma regata verde e um shorts preto, tinha uma barba majestosa, era de se impressionar – Hein? – Olhou-me de lado – Oh, olá meu jovem, o que está fazendo aqui? – Perguntou para mim – Eu estava passando por perto, e vi esse aí – Apontava para o pernas longas – E fiquei curioso em saber que bicho ele é...-

-Hahahaha – não entendi por que da risada, mas segui com ele – hehe...-

- Então tu quer saber do meu Pokemon hã? Tu é um treinador né? Porque não usa aquele aparelhinho que os doutores dão para os moleques que nem você?

- Aparelhinho? Oh é mesmo – Havia esquecido que tinha basicamente uma mini enciclopédia de Pokemons dentro de minha mochila. Tirei a mochila das costas e coloquei-a no chão, abria seu ziper, uau, era incrivel o jeito como eu conseguia desarrumar tudo só andando pela estrada – tenho que parar de saltitar por aí, hey, eu não estava saltitando...- Após uma pequena mechidinha dentro da mochila encontra o pequeno aparelho vermelho que parecia uma agenda.

- Como que liga esse troço...- mexia nos botões sem ao menos prestar atenção no que eles indicavam *Click*[/i] e enfim a tela ligava  – Acho que agora é só apontar para ele e...

- Hitmonlee, um Pokemon do tipo lutador, sua pernas podem se contrair e expandir, isso auxilia tanto em sua locomoção como usadas ofensivamente em uma batalha, tem em torno de 1,5 metros de altura e pesam até 50 kg.

- Uau... que... incrivel! Então ele é um pokemon lutador?

- É... como o seu tréquinho já disse, ele é um Pokemon lutador.

- E você é o treinador dele?

- Exato

- Será que... você poderia batalhar comigo usando seu hitmonlee?

- Muahaha, mas é claro, George Max nunca da as costas a um desafiante!

- Quem é George?

- Eh... sou eu – ele ficou sem reação ao ouvir e responder aquilo, era compreensivel, quem seria burro de não perceber que ele estava falando em terceira pessoa sobre si mesmo – você é burro por não perceber.

- Otimo... então... você quer lutar aqui mesmo?

- Claro, saque logo seu pokemon e vamos batalhar, Hitmonlee venha cá!

-Lee! – O pokemon marrom de pernas grandes se aproximava ao mando de seu treinador.

- Mas é que, você não prefere ir para um local mais, sei lá, aberto?

- Garoto, escuta, você quer se tornar forte né? Assim como eu?

- Bem, é, eu acho que sim – Fiquei sem jeito após ele perguntar.

- Então tem que aprender a lutar em diversos cenários, só assim vai se tornar forte e quem sabe, tão forte quanto eu?

- Tá, não exagera – Sussurei, esperando que ele não ouvisse – Tudo bem, se é para aprender a lutar em cenários diferente, e me tornar forte, acho que eu vou lutar aqui mesmo.

- Que bom, agora saque logo o seu pokemon! – Ele olhava muito confiante nos meus olhos, até parecia que já podia prever o resultado final da batalha.

- Ta bem – Enfiei a mão no meu bolso e saquei a pokebola de Siri, a pokemon de lagosta – Vamos lá siri, vamos vencer nossa primeira batalha! – Gritava ao lançar a pokebola de Siri ao céu, e em um pequeno raio azul ela saia, e não era de menos, me atacar, com uma beliscada forte na canela – Ai ai... ta bom ta bom, mas não tenho culpa se esse nome combina contigo – Ela me largava, mas lançava um olhar medonho com a lateral dos olhos, só para que eu ficasse esperto.

- Você, buf... – Ele colocava a mão na boca, tentando se segura, até que ele não aguentou – VOCE PRETENDE ME VENCER COM ESSA COISINHA AI !? – Fiquei ofendido, pensei que ele fosse um oponente digno, sábio, ou algo que chegasse a isso, mas, rir do oponente só por causa do Pokemon dele? Isso eu não iria admitir – Hey! – Ele parou de rir – Não julgue a Siri pelo tamanho ou pela aparência dela, ou eu vou te zuar muito depois de te vencer – É dificil definir minha expressão, um sorriso confiante mas ao mesmo tempo ameaçador, algo que dizia, você vai se arrepender depois.

- Ta bom ‘mininu’, não fica chateado com isso não, prometo não rir durante a luta... claro se ela não fizer nada engraçado – Siri parecia apreensiva e extremamente nervosa com aquelas palavras – Ele provocou a lagosta errada, vamos mostrar para ele Siri – Ela me olhava de lado, e com um movimento de afirmação com a cabeça e um sorriso de confiança, nos íamos para a batalha.

- Mas antes – Apontei o aparelho que fala sobre Pokemons para Siri – Deixe-me ver o que você pode fazer... – Um lista aparecia na telinha da agenda vermelha, uma lista de movimentos, era grande, mas memorizei apenas alguns para aquela batalha que já estava a começar.


Vs


- Deixe que vão primeiro Hitmonlee

- Se é assim, Siri use Water Gun, vai!

A pequena lagosta azul iniciava o combate com um jato de água que saia por sua, pequena – bem pequena mesmo – boca, um jato fino, mas que tinha uma pressão e tanto, quando atingiu o pokemon lutador Hitmonlee, parecia quase que empurrá-lo para traz, ou apenas segura-lo ali, onde estava.

- Até que é fortinha, que seja, Hitmonlee Jump Kick! – O marrom ao ouvir o comando – onde estão seus ouvidos? – usava de suas poderosas pernas e saltava, Siri tentava acompanha-lo com o jato de agua, movendo a sua mira, mas esse, pulava sobre a lagosta e lhe desferia um chute, tão forte, que mesmo acertando a lagosta dava para sentir o solo tremer levemente, o pernudo mantinha o pé sobre a lagosta, segurando-a no chão.

- O que foi isso?

- Isso garoto, é o resultado de um bom treino – Aquele homem, se não apavorante não fosse a palavra para descrever sua expressão facial e o jeito como ele falou, nada mais podia descreve-lo.

- Tenho que agiar... é é, Siri use.. ai deixa eu ver.... é, Agua Jet!

A lagostinha se envolvia por água – agua magica? Saiu da onde isso? – E  surpreendentemente saia descomunalmente sem controle pelos ares, como um torpedo, que após ser lançado só parava quando perdia força, ou na maioria dos casos, explodisse no alvo – Siri cuidado! – A pequena voava para cima e para baixo, para um lado e para o outro, como se fosse uma bolinha de ping-pong, batia nas arvores e era ricocheteada para outra.

- Hitmonlee, derrube-a – Sorriu confiante – use Mega kick – Hitmonlee acenava com a cabeça, dizendo que entendia o comando, e espera, olhando para Siri, esperando o momento certo, e quando o teve, pulou com a perna erguida – igual aquelas dançarinas do fausto – e assim que o pequeno torpedo passou por debaixo dele, ele o atacou, descia sua perna e a força do chute lançava Siri no chão, com o impacto, erguia-se uma grande quantidade de terra,  dificultando assim um pouco a visão sobre como estava a lagosta.

– Hitmonlee, termine com Double Kick! – Ao ouvir aquilo eu imediatamente gritei – Saia daí Siri, use Agua jet para fugir! – Não sei se foi por que disse, ou se ela era um gênio da batalha, mas antes mesmo de eu terminar a falar, ela saia da fumaça de areia como eu havia ordenado, usando seu Aqua Jet. Hitmonlee não conseguia ver, e nem viu que Siri havia saido dali, então como lhe foi ordenado, ele caia sobre o solo e pisava no mesmo, tentan acertar Siri, sorte dela que já não estava mais la – Ufa.... – Respirei fundo - Esse golpe é versátil, curti, vou lembrar sempre .

- Como você errou?  - Ele ficou bravo, foi um erro comum, todos erram, até os Pokemon –  Não pode errar assim na competição! - Hitmonlee olhava, parecia estar com medo e decepcionado consigo mesmo – Esquece, olha ela alí, vai pegar com High Jump Kick – Hitmonlee novamente afirmava com a cabeça. Siri como antes era um torpedo de agua, mas diferente de antes, estava controlando bem a direção em que ia, não batia nas arvores, mas chegava perto e fazia o retorno, era quase como se fosse um dragão azul dançando no céu, um dragão que respingava água pra todo lado – que viaje é essa meu?.

- Vamos lá Siri, acerte-o! – Ela enfim mudava seu curso, ia em direção ao marrom. Hitmonlee pulava no tronco de uma arvore, George esboçava um sorriso – Agora já era pra esse sirizinho – Hitmonlee salta de arvore em arvore, tão rápido quanto Siri, pareciam dois vultos, um atrás do outro, e as vezes, se encontravam formando uma cor esquisita, enfim, continuou nessa perseguição de cão e rabo por alguns segundo, até que cada um foi para um canto e tentaram de novo, dessa vez iam de frente, era isso, queriam por um fim a luta – Espera, Siri use Muddy Water! – A incrivel Siri atacava novamente com sua genialidade, eu queria que ela apenas usasse aquele golpe enquanto voava, apenas para ver o que ele fazia e por sorte, fosse bom para ganhar vantagem, mas ela, ela fez a diferença naquele instante, girava em seu próprio eixo enquanto investia até hitmonlee, no percurso, gostas de água saiam aos montes, mas essas, eram gotas de águas suja, um pouco melosa e grudenta, parecia uma baba, ou quase, gostas essas que acertavam o rosto de hitmonlee, o rosto de George e a minha camisa – Que nojento, o que é isso? – Gritava George ao ser atingido.

Hitmonlee era cegado no meio do ar, e com a vantagem, Siri o atingia na barriga, e o carregava por alguns segundos, algo como 2 ou 3 segundos, depois ele saia voando ao solo, e ela, ainda como um torpedo ia em sua direção.

- Vai Siri, termina isso com Crabhammer! – A água entorno de Siri sumia, ela com sua face confiante, atrasava sua garra, essa que por uns segundos achei estar brilhando, não pude confirmar, por que quando a vi, ela havia desferido um golpe, algo parecido com um, só que com garra, Hitmonlee tentou se defender, erguendo seu pé um pouco, tinha espírito de guerreiro, não queria desistir, mas ele não tinha forças para continuar, então Siri lhe acertava.  Hitmonlee estava nocauteado.

- Não! Como eu pude perder?! – Colocava a mão na cabeça quase arrancando os cabelos – Hitmonlee meu filho, levanta logo... – Se aproximou de seu Pokemon, Geoge, ele o levantava e o segurava nas costas – Bem, tenho que admitir... – Olhava para o lado, tentando disfarçar sua raiva – Seu siri é bem forte – Ao ouvir aquilo Siri corria rapidamente na direção de Geoge – Hoje não – Falei, pegando a pokebola de Siri, apontando para a mesma em seguida – Bom sonhos – Ela retornava para dentro da bola branca e vermelha – É... ELA é – dizia que era uma garota ou invés de um garoto o Pokemon lagosta – han... ta, que seja, ela é forte, e... foi mal te zuar e a ela também no começo da batalha – Ele parecia se arrepender, e como não sou de deixar as pessoas mais infelizes do que estão eu aceitei assim – Ah, valeu, e nada não, cá entre nós, eu estranhei ela quando a ganhei –

- É mesmo é?

- É sim, mas não faça mais isso com outros, eles podem não aceitar isso como eu.

- Tudo bem então...

- Ah, só uma pergunta, você disse pro Hitmonlee que havia uma competição, o que seria essa?

- Ah a competição? Você não sabia? É uma competição de Pokemons lutadores, onde os mais fortes lutadores são postos em uma arena e apenas quem ficar de pé no final ganha o prêmio em dinheiro – Após ouvir isso, minha imaginação fértil começou a trabalhar, imaginava grandes e musculosas criaturas, todas em volta de Siri, enquanto meu pequeno Pokemon parecia perder a autoridade que ela parecia ter, pelo menos no dia-a-dia  – como assim? Tu ta com ela não faz um dia.

- É... acho que essa competição não é para mim hehe...

- Eu acho que você seria perfeito para a competição, seu siri é pequeno, mas forte e rápido, com aqueles movimentos, quem sabe não aguenta alguns minutos?

“ Ele disse alguns minutos? Isso não significa nada se só quem ficar de pé no final ganhar, se tivesse premio pro segundo e terceiro lugar...”

- Pensarei no caso hehe... – começaria a me afastar dele com passo lentos – Então, foi um prazer Geoge até mais, a gente se vê, tchaaaau....- Me virava e seguia caminho até a estrada de terra, mas antes, no caminho, algumas folhas das árvores caiam na minha frente conforme eu andava, quando olhei para cima me surpreendi, um pequeno sapo azul parecia estar me seguindo, nos cruzamos olhares, ficamos quietos por alguns instantes, eu resolvi tentar falar com ele – Ola? – Ele ao ouvir aquilo pulava para outra árvore, e olhava para mim de lado, e não dava para acreditar, ele me provocou, balançando o bum bum enquanto dizia – Froakie Froakie!

- Ora seu! – Nessa, saí correndo atrás dele, e ele, logicamente, saiu saltitando pela floresta. Ele foi rápido, e conseguiu fugir de minha vista, mas sabia que iria encontrá-lo de novo, então por ali comecei a procurar novamente aquele sapo.      Continua...

O que será de lagosta contra um sapo? descubra no proximo episódio de DBZ!
Monotreinador
avatar
Data de inscrição : 05/02/2016
Número de Postagens : 2

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada que não é nas estrelas [Were]
Kol Mikaelson em Seg 15 Fev 2016, 23:17
Treinamento: Válido

Críticas:

Alguns erros de português, como por exemplo a concordânia e acentuação. Tente revisar de forma mais detalhista!

Elogios:

História com um desenvolvimento riquíssimo! Simplesmente fascinante e encantador! Amei sua batalha, foi bem envolvente! Continue assim!

Nota: 05 stars



Kol Mikaelson
Administradores
avatar
Idade : 19
Data de inscrição : 16/01/2016
Número de Postagens : 91
Localização : MG

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Uma jornada que não é nas estrelas [Were]
Conteúdo patrocinado
Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum